" Ide por todo o mundo e pregai o evangelho
          Marcos 16:15
Jesuseapalavra.com
Copyright©Todos os Direitos Reservados 2007-2018 Jesuseapalavra.com
Marcos 16:15
De onde veio tanta água para um dilúvio?

Postado em 18/Outubro/2018
"O planeta Terra faz sua própria água a partir do zero no fundo do manto", foi a manchete do artigo de 27 de janeiro de 2017 da New Scientist's Daily News.[1] É irônico que os cientistas secularistas ainda procurem explicar de onde veio a água da Terra. Por muitos anos eles têm se empenhado em preencher as “lacunas” de sua “história” sobre como a nossa terra natal “surgiu” e tornou-se tão habitável para a vida ao longo de sua suposta história de bilhões de anos. Os secularistas acreditam que a Terra se condensou da matéria acumulada da nebulosa solar 4,56 bilhões de anos atrás. Inicialmente era uma bolha quente fundida que esfriava. Eles costumavam sugerir que a maior parte da água vinha de dentro dessa Terra que esfriava lentamente, mas não o suficiente para encher os oceanos que temos hoje na superfície da Terra. Uma teoria outrora popular era a de que os cometas (que são essencialmente grandes e sujas bolas de gelo) colidiam com a Terra e depositavam sua água em nossa superfície.
Enquanto isso, esses mesmos secularistas e céticos da Bíblia têm exigido que nós, crentes na Bíblia, expliquemos de onde vieram as águas para inundar a Terra durante o cataclísmico dilúvio de Gênesis. Nossa resposta não mudou desde que o livro de Gênesis foi escrito por revelação especial de Deus: “Todas as fontes do grande abismo foram quebradas” (Gênesis 7:11). Em outras palavras, algumas das águas para o dilúvio vieram de dentro da Terra, adicionando às águas que já cobriam a Terra desde o princípio, no “dia um” da Semana da Criação (Gênesis 1:2); no terceiro dia, Deus reuniu as águas em um lugar e as chamou de mares (Gênesis 1:9, 10). Naturalmente, esses mesmos secularistas e céticos da Bíblia dizem, como previsto em 2 Pedro 3:3-6, que nunca houve um dilúvio global na Terra, embora ainda esteja 70% coberta por água. Mas, ironicamente, eles também dizem que, devido às muitas evidências da maciça erosão da água em Marte, houve uma inundação aquosa de proporções bíblicas no planeta no passado, mesmo que a superfície desse planeta esteja seca hoje!
Então o que é essa nova evidência que os secularistas descobriram que confirma o que a Bíblia sempre disse? O enorme estoque de água da Terra pode ter se originado por meio de reações químicas no manto, ao invés de chegar do espaço graças a colisões com cometas ricos em gelo. Esse é o resultado de uma simulação computacional de reações no manto superior da Terra entre o hidrogênio líquido e o quartzo, a forma mais comum e estável de sílica nessa parte do planeta. A reação simples ocorre a cerca de 1.400 °C e pressões 20 mil vezes mais altas que a pressão atmosférica, uma vez que a sílica, ou dióxido de silício, reage com o hidrogênio líquido para formar água líquida e hidreto de silício.[2] Os resultados dessas simulações de computador acabam de ser relatados por Zdenek Futera na University College Dublin, na Irlanda, e seus colaboradores.[3] Esse último trabalho simula essa reação sob várias temperaturas e pressões típicas do manto superior entre 40 e 400 quilômetros de profundidade. Ele faz o backup de trabalhos anteriores de pesquisadores japoneses que realizaram e relataram a reação em si em 2014.[4]
Nesse estudo anterior, Ayako Shinozaki da Universidade de Tóquio e seus colaboradores conduziram experimentos com quartzo natural (SiO2) em uma minúscula câmara colocada sob altas pressões em uma célula de bigorna de diamante na qual o hidrogênio puro (H2) foi introduzido como um fluido supercrítico. A câmara foi então também aquecida. Suas investigações da reação química nesses experimentos determinaram que o quartzo se dissolveu no fluido de hidrogênio, e água (H2O) e hidreto de silício (SiH4) se formaram.
Eles concluíram que o hidrogênio poderia potencialmente ser oxidado para formar água no manto da Terra, quando a sílica (SiO2 componentes de minerais do manto) se dissolve no fluido de hidrogênio, ambos presentes no manto superior. Então, o que há de novo nesse último estudo?
O membro da equipe John Tse, da Universidade de Saskatchewan, no Canadá, comentou: “Montamos uma simulação de computador muito próxima de suas condições experimentais e simulamos a trajetória da reação.”[5] Mas, surpreendentemente, eles descobriram que “o fluido de hidrogênio se difunde através da camada de quartzo, formando água não na superfície, mas na maior parte do mineral”. De acordo com Tse: “Analisamos a densidade e a estrutura da água aprisionada e descobrimos que ela é altamente pressurizada.”[6] Os autores também descobriram que a pressão pode chegar a 200.000 atm.
A equipe de pesquisa, portanto, sugeriu que essa nova água pode estar sob tanta pressão que pode provocar terremotos a centenas de quilômetros abaixo da superfície da Terra, tremores cujas origens até agora permaneceram inexplicadas. “Observamos que a água está sob alta pressão, o que pode levar à possibilidade de terremotos induzidos”, diz Tse.[7] Os terremotos podem ser desencadeados quando a água finalmente escapa dos cristais. A ocorrência de terremotos profundos na litosfera do manto superior sob crátons estáveis (os núcleos fundamentais dos continentes) é conhecida, mas permanece enigmática em sua origem.[8]
Por exemplo, o terremoto de 2013 no Rio Wind (Wyoming) ocorreu a 7,5 ± 8 quilômetros, bem abaixo da base da crosta, sugerindo que ele representava falhas frágeis em altas temperaturas em rocha próximas ao manto. No entanto, o mecanismo desencadeador de tal falha frágil próxima ao manto estável permaneceu um mistério. Essas novas simulações feitas por computador por essa equipe de pesquisadores mostraram agora que a água pressurizada da reação entre sílica e hidrogênio poderia ser um possível gatilho para iniciar terremotos profundos na litosfera, próximo ao manto, abaixo dos continentes.
Outros pesquisadores concordam, como John Ludden, diretor executivo da British Geological Survey.[9] Mas, obviamente, mais pesquisas são necessárias para quantificar a quantidade de água liberada que seria necessária para desencadear terremotos tão profundos.
No entanto, o que é ainda mais significativo é que essa equipe de pesquisa sugere que suas descobertas também podem nos informar sobre como nosso planeta conseguiu sua água no princípio. "Enquanto o fornecimento de hidrogênio puder ser sustentado, pode-se especular que a água formada a partir desse processo poderia ser um contribuinte para a origem da água durante a acreção inicial da Terra", diz Tse. “A água formada no manto pode alcançar a superfície através de múltiplas formas, por exemplo, carregadas pelo magma em atividades vulcânicas.”[10] E também é possível que a água ainda esteja sendo formada no interior da Terra hoje. Esse “estudo destaca como os minerais que compõem o manto da Terra podem incorporar grandes quantidades de água, e como a Terra é provavelmente 'molhada' de certo modo até o seu centro”, diz Lydia Hallis, da Universidade de Glasgow, Reino Unido.[11]
No entanto, esse último anúncio não é novo, considerando que numerosos estudos publicados ao longo de mais de duas décadas e meia encontraram evidências de vários oceanos de águas confinadas em rochas e minerais do manto. Mesmo recentemente, em novembro de 2016, houve notícias sobre a descoberta de água em uma inclusão dentro de um diamante que teria chegado à superfície da Terra a partir de mil quilômetros de distância no manto.[12] Uma equipe internacional havia estudado um diamante encontrado no sistema do rio São Luís, em Juína, Brasil, e encontrou uma inclusão mineral selada que ficou aprisionada durante a formação do diamante.[13] Quando os pesquisadores examinaram mais de perto essa inclusão com microscopia de infravermelho, viram a presença inconfundível de íons de hidroxila (OH-), que normalmente vêm da água. Eles identificaram o mineral como ferropericlase, que consiste em óxido de ferro e magnésio e também pode absorver outros metais, como cromo, alumínio e titânio, à temperaturas e pressões ultra-altas do manto inferior.
De acordo com o membro da equipe Steve Jacobsen, da Universidade Northwestern, em Evanston, Illinois, o argumento decisivo foi que, uma vez que a inclusão foi aprisionada no diamante durante todo o tempo, a assinatura de água só pode ter vindo do lugar de formação do diamante no manto inferior.[14] “Essa é a mais profunda evidência para a reciclagem de água no planeta”, disse Jacobsen. “A grande mensagem para levar para casa é que o ciclo da água na Terra é maior do que jamais imaginamos, estendendo-se para o manto profundo. A água claramente tem um papel na tectônica de placas, e nós não sabíamos antes qual o efeito dela no processo. Isso tem implicações para a origem da água no planeta.”[15]
Em 2014, reportamos outro estudo similar.[16] Nesse caso, foi encontrada água em um mineral conhecido como ringwoodita, descoberta como uma inclusão em outro diamante brasileiro.[17] Em uma reportagem, baseada em um estudo relacionado relevante,[18] foi até sugerido que um reservatório de água três vezes o volume de todos os oceanos havia sido descoberto a 700 quilômetros abaixo da superfície da Terra, o que é uma boa evidência de que pelo menos parte da água da Terra veio de dentro.[19] Além disso, todos esses estudos publicados recentemente resultam de uma longa história de investigações de amostras de rochas do manto e minerais trazidos para a superfície da Terra pelo vulcanismo, juntamente com estudos de terremotos profundos.[20] A conclusão coletiva é que existem grandes quantidades de água armazenadas no manto da Terra dentro de seus minerais. E essa água não apenas auxilia na convecção do manto, nos movimentos das placas e no vulcanismo, como também pode ser liberada na superfície da Terra por meio de atividade vulcânica. “Na verdade, a mais de 400 quilômetros dentro da Terra pode haver água suficiente para substituir os oceanos superficiais mais de dez vezes!”[21]
No entanto, Raymond Jeanloz, da Universidade da Califórnia, em Berkeley, não consegue entender “um súbito derramamento de água, no modelo de Noé... mesmo que a balança incline para uma saída maior”.[22] Assim, é apenas seu viés evolucionário que o impede de aceitar que uma explosão catastrófica de água sob pressão no manto poderia ter ocorrido como no “modelo de Noé ”, assim como a Bíblia descreve. Portanto, é óbvio que a declaração do relato de Gênesis de que o cataclísmico dilúvio global começou com “as fontes do grande abismo” sendo quebradas (Gênesis 7:11). É uma descrição vívida de uma explosão catastrófica de água na superfície da Terra.
Também é óbvio que a água foi armazenada sob alta pressão no manto durante a era pré-diluviana. Tal explosão de água teria acompanhado um afloramento de plumas de materiais do manto que se fundiam à medida que subiam para entrar em erupção e produzir um vulcanismo catastrófico. Sob os oceanos, as lavas em erupção produziram um novo fundo oceânico. Nos continentes, as explosões de fluxos de lava e explosões de camadas de cinzas vulcânicas foram depositadas entre camadas sedimentares que rapidamente se acumulavam e enterravam fósseis. A água extra que escorria das fontes aumentava o nível do mar por causa do impulso ascendente do novo e quente leito oceânico, de modo que a água do oceano era capaz de inundar os continentes. Além disso, as explosões de água do manto através de uma vasta rede global de fraturas dividiram o supercontinente pré-diluviano original em “placas tectônicas”.[23]
A água dentro do manto reduziu a viscosidade do material do manto (tornou o material menos “espesso”) de modo que ajudou a mover as placas tectônicas pela superfície da Terra, produzindo a tectônica de placas de movimento rápido, evento Flood.[24]
Assim, as águas que vieram de dentro da Terra, combinadas com as águas do original, criaram oceanos para produzir o dilúvio de Gênesis. A descrição da Bíblia desse evento explosivo é meramente confirmada pelas últimas descobertas dos cientistas seculares.
Podemos sempre confiar totalmente na veracidade do relato do Gênesis sobre o cataclísmico dilúvio global do tempo de Noé e sua história de volta à criação em seu primeiro verso. Assim, a maior parte das águas oceânicas da Terra não veio originalmente do manto, mas foram criadas por Deus já no lugar “no princípio”.

(Texto original: Dr. Andrew A. Snelling [Answers in Genesis]. Tradução e adaptação: Hérlon S. Costa)
Artigos