" Ide por todo o mundo e pregai o evangelho
          Marcos 16:15
Jesuseapalavra.com
Copyright©Todos os Direitos Reservados 2007-2018 Jesuseapalavra.com
Marcos 16:15
Lição da Escola Sabatina
 
Babilônia e o Armagedom
VERSO PARA MEMORIZAR: “Na sua fronte, achava-se escrito um nome, um mistério: BABILÔNIA, A GRANDE, A MÃE DAS MERETRIZES E DAS ABOMINAÇÕES DA TERRA” (Ap 17:5).

LEITURAS DA SEMANA: Ap 14:8; 16:19; Is 52:9; Ap 18:1-10; 16:12-16; 1Rs 18:1-40; 1Co 15:1, 2

O livro do Apocalipse, como já observamos, é repleto de imagens e linguagem tiradas diretamente do Antigo Testamento. Por exemplo, o nome “Babilônia” aparece seis vezes no Apocalipse. No entanto, ele não se refere ao antigo reino de Nabucodonosor, que havia desaparecido da história mundial centenas de anos antes. Em vez disso, João estava usando imagens do Antigo Testamento para expressar uma verdade. Nesse caso, Babilônia – um imenso poder político e religioso que tinha oprimido o povo de Deus – descreve, hoje, os grandes poderes políticos e religiosos que buscarão fazer a mesma coisa no tempo do fim.
Algo semelhante ocorre com a palavra Armagedom, que surge apenas no Apocalipse, mas é baseada em uma expressão hebraica que parece significar “Monte de Megido”, uma referência a um local do antigo Israel. Existe uma grande especulação sobre o Armagedom. Muitas pessoas aguardam a ocorrência de uma grande batalha militar nesse lugar, em Megido, perto do fim do mundo.
Nesta semana, estudaremos sobre Babilônia e o Armagedom, e buscaremos descobrir o que a Bíblia revela com essas imagens.
Sábado à tarde
Domingo
O “vinho da fúria da sua prostituição”

1. Leia Apocalipse 14:8; 16:19; 17:5; 18:2, 10 e 21, as seis referências a Babilônia nesse livro. Tendo em mente a história de Babilônia no Antigo Testamento, o que esses textos revelam sobre a Babilônia, tal como ela aparece no contexto dos eventos finais?

Dizem que a Bíblia é uma narrativa sobre duas cidades, Jerusalém e Babilônia. Enquanto Jerusalém representa a cidade de Deus e o povo da aliança em toda a Bíblia (Sl 102:21; Is 52:9; 65:19; Ap 3:12), Babilônia representa a opressão, violência, falsa religião e completa rebelião contra Deus.
Pense, por exemplo, na torre de Babel (Gn 11:9). A palavra hebraica para “Babel” é a mesma para o reino de “Babilônia”. Em 1 Pedro 5:13, o apóstolo enviou saudações da igreja que se encontrava em “Babilônia”, geralmente entendida não como as ruínas do antigo reino localizado hoje no Iraque, mas como a própria cidade de Roma, que em breve se tornaria a opressora da igreja. “Babilônia” é um título interessante à luz da função de Roma apresentada no livro do Apocalipse.

2. Leia Apocalipse 14:8 e 18:3. O que esses textos revelam sobre a influência maligna de Babilônia no mundo e no povo de Deus? Assinale a alternativa correta:
A.(  ) Babilônia exerce sua influência corruptora sobre todas as nações, fazendo-as se prostituírem com o vinho de sua ira.
B.(  ) A influência de Babilônia traz paz, harmonia, justiça e progresso.

Não há dúvida de que o poder representado por Babilônia, conforme a descrição no livro do Apocalipse, é extremamente corrupto, estendendo essa influência corruptora por todo o mundo, em maior ou menor grau. A expressão “vinho da fúria da sua prostituição” (Ap 14:8) é claramente uma referência à falsa doutrina, ao falso ensino, às práticas corruptas e às consequências dessas coisas. Babilônia é uma força maligna que se espalhou a “todas as nações” (Ap 18:3). Portanto, todos devem tomar cuidado para que também não sejam corrompidos.

Diante da corrupção, confusão e opressão no mundo hoje, por que precisamos estar ancorados em Jesus e em Sua Palavra?
Ano Bíblico: Sl 18–22
Ano Bíblico: Sl 10–17
Segunda-feira
Caiu! Caiu a grande Babilônia!

Por mais corrupta e abrangente que tenha sido a influência de Babilônia no mundo, o livro do Apocalipse ensina que um dia ela será completamente destruída.

3. Leia Apocalipse 18:1 a 10. O que esses versos revelam sobre “a grande Babilônia”?

A segunda mensagem angélica (Ap 14:8) sobre a queda de Babilônia é repetida em Apocalipse 18:2. É uma expressão do quanto essa entidade se tornou corrupta.
“A Escritura Sagrada declara que Satanás, antes da vinda do Senhor, operará ‘com todo o poder, e sinais, e prodígios da mentira, e com todo engano da injustiça’; e os que ‘não acolheram o amor da verdade para serem salvos’ serão deixados à mercê da ‘operação do erro, para darem crédito à mentira’ (2Ts 2:9-11). A queda de Babilônia se completará quando essa condição for atingida, e a união da igreja com o mundo se tiver consumado em toda a cristandade. A mudança é gradual, e o pleno cumprimento de Apocalipse 14:8 está ainda no futuro” (Ellen G. White, O Grande Conflito, p. 389, 390).
Se esse “pleno cumprimento” ocorreu em nossos dias, só Deus sabe. Mas o que sabemos é que, de acordo com esses textos, a Babilônia espiritual um dia enfrentará o juízo de Deus por causa de sua grande maldade. “Porque os seus pecados se acumularam até ao Céu, e Deus Se lembrou dos atos iníquos que ela praticou” (Ap 18:5). Essa expressão também reflete a linguagem do Antigo Testamento a respeito da antiga Babilônia (veja Jr 51:9), e significa que a hora do juízo certamente virá.
O juízo futuro não deve ser surpreendente. Afinal, a Babilônia dos tempos antigos enfrentou o juízo (veja Dn 5). A Escritura deixa muito claro, em diversas passagens, que um dia todos terão que responder por suas ações, inclusive Babilônia. Como é animador saber que, como cristãos, temos um Intercessor que nos defenderá nesse juízo (1Jo 2:1; Dn 7:22). Caso contrário, nosso destino não seria melhor que o de Babilônia.

Toda injustiça e iniquidade que parecem ficar impunes hoje, um dia enfrentarão a retribuição final de Deus. Você encontra conforto nessa promessa?
Terça-feira
Armagedom

Embora a maioria das pessoas, inclusive muitos cristãos, não tenha muito conhecimento sobre o livro do Apocalipse, uma imagem ou palavra desse livro alcançou a cultura popular: Armagedom (veja Ap 16:16). Mesmo na cultura secular, a palavra passou a representar uma luta final em que o destino da Terra está em jogo. Hollywood produziu um filme chamado Armagedom, a respeito de um asteroide gigante pronto para destruir o planeta. Até certo ponto, a ideia do fim do mundo também está na mente das pessoas seculares.
Muitos cristãos familiarizados com o livro do Apocalipse e que acreditam nele entendem a batalha do Armagedom como um conflito militar literal que ocorrerá no Oriente Médio, próximo ao fim do mundo. Uma versão afirma que um exército de 200 milhões de homens da Ásia assolará o norte de Israel. Outros se concentram nos vários conflitos militares e políticos naquela parte do mundo que, em sua compreensão, prepararão o terreno para a batalha militar final do Armagedom, na região de Megido.
No entanto, a Bíblia apresenta uma imagem totalmente diferente. As Escrituras apresentam o Armagedom como o clímax final, não entre nações em disputa, mas entre os dois lados do conflito cósmico. Por mais que fatores econômicos e políticos possam entrar em jogo, será uma luta religiosa, não uma batalha política e econômica.

4. Leia Apocalipse 16:12 a 16. O que esse texto revela sobre o Armagedom? Assinale “V” para verdadeiro ou “F” para falso:
A. ( ) O Armagedom será uma guerra que ocorrerá no Oriente Médio.
B. ( ) O Armagedom está relacionado à luta entre o dragão (Satanás) e Cristo.

Primeiramente, observe como a linguagem dessa passagem é simbólica. Espíritos semelhantes a rãs saem da boca do dragão, da boca do falso profeta e da boca da besta (referências aos poderes de Ap 13; o “falso profeta” deve ser uma referência à besta de Ap 13:11, que emerge da terra). O grande conflito também é visto quando os “espíritos de demônios” (Ap 16:14) saem à batalha no “grande Dia do Deus Todo-Poderoso” (Ap 16:14). Independentemente da maneira em que o Armagedom se desenvolverá, ele será um conflito mundial entre as forças de Cristo e Satanás. Assim como Babilônia, no Apocalipse, não se refere aos eventos na remota região do Iraque moderno, o Armagedom não será uma batalha local na região de Megido.

Leia Apocalipse 16:15. Em meio ao conflito, Jesus nos encoraja com a mensagem do evangelho, por meio da promessa de Sua vinda e da necessidade de sermos cobertos com Sua justiça. Isso revela a natureza espiritual dessa batalha?
Ano Bíblico: Sl 31–35
Quarta-feira
O Armagedom e o monte Carmelo: parte 1

O que é essa grande batalha do Armagedom? Em primeiro lugar, o nome parece significar “Monte de Megido”. No entanto, nessa região não há um monte conhecido como Megido, mas o monte Carmelo estava localizado nas proximidades, e os estudiosos têm entendido a expressão “Monte de Megido” como uma referência ao monte Carmelo.
Mais precisamente, os estudiosos da Bíblia têm visto a história de Elias e os falsos profetas de Baal no monte Carmelo como um símbolo, um tipo do que ocorrerá em Apocalipse 13.
Como vimos ontem, o texto de Apocalipse 16:13, com sua referência ao dragão, à besta e ao falso profeta, remete aos eventos de Apocalipse 13, a falsa trindade que vimos na lição nove.
Os problemas em Apocalipse 13 começam a chegar ao clímax nos versos 13 e 14, quando a segunda besta realiza atos sobrenaturais, “de maneira que até fogo do céu faz descer à Terra, diante dos homens” (Ap 13:13). Esses eventos levam ao confronto direto entre Deus e Satanás, entre os que adoram o Deus verdadeiro e os que adoram a “imagem da besta” (Ap 13:14).

5. Leia 1 Reis 18:1 a 18. De que maneira essa história reflete alguns problemas que se desenvolverão nos eventos finais, como vemos no Apocalipse?

Em muitos aspectos, o que vemos nesse texto é um claro retrato do grande conflito. Elias declarou de maneira inequívoca no verso 18: o povo abandonou a lei de Deus e está adorando e seguindo deuses falsos. Esse não tem sido sempre o problema, independentemente das infinitas formas e maneiras pelas quais esse mal tem se manifestado ao longo da história? Ou estamos adorando “Aquele que fez o céu, e a Terra, e o mar, e as fontes das águas” (Ap 14:7), ou estamos adorando outra pessoa ou coisa. No caso de Apocalipse 13 e dos acontecimentos que se desenrolam ali, em vez de adorarem o Senhor, as pessoas estão adorando a besta e sua imagem. Não há meio-termo. Ou estamos do lado de Deus ou do lado de Satanás. Isso mostra a grande importância das questões em jogo, agora e especialmente na batalha do Armagedom, em que, como veremos na história sobre o monte Carmelo, a distinção se torna muito clara.
Ano Bíblico: Sl 36–39
Quinta-feira
O Armagedom e o monte Carmelo: parte 2

6. Leia 1 Reis 18:18 a 40. Como essa história termina? Como ela reflete o que ocorrerá, em grande escala, quando o grande conflito chegar ao seu clímax no fim dos tempos? Assinale a alternativa correta:
A. (  ) Elias ficou com medo dos profetas de Baal e acabou fugindo. O povo de Deus também terá que fugir nos últimos dias.
B. (  ) O profeta Elias enfrentou e venceu os profetas de Baal. No fim, os que estiverem do lado do Senhor serão vitoriosos.

A batalha no monte Carmelo foi entre Elias, profeta de Deus, e 450 sacerdotes de Baal. (Observe como a quantidade do mal foi muito maior do que a do bem). O objetivo dessa batalha foi demonstrar quem era o Deus verdadeiro. Seria Aquele que criou os céus e a Terra, ou Baal, justamente outra manifestação do “dragão” e outro meio pelo qual ele busca enganar o mundo (Ap 12:9)?
Os sacerdotes oraram, pedindo a Baal que enviasse fogo para queimar seu sacrifício. Eles gritaram da manhã ao meio-dia. “Gritem mais alto”, provocou Elias. “Talvez [Baal] esteja dormindo” (1Rs 18:27, NVI). Os sacerdotes entraram em frenesi. Eles se cortaram com espadas até que o sangue fluía livremente. Cansados e esgotados, desistiram no momento do sacrifício da tarde.
O sacrifício de Elias foi encharcado três vezes, e a água fez com que as valetas transbordassem. Elias fez uma simples oração a Deus. O Senhor instantaneamente consumiu tudo, inclusive o altar de pedra e o solo abaixo. O poder do Deus verdadeiro em contraste com Baal foi inconfundível!

7. Compare Apocalipse 16:13 e 19:20 e 21 com o destino dos falsos profetas de Baal. O que vemos nessas passagens? Assinale a alternativa correta:
A. (  ) Os maus e os falsos profetas serão perdoados.
B. (  ) No fim, o destino dos falsos profetas será a destruição no lago de fogo.

Embora não possamos explicar todas as coisas sobre o Armagedom, pelo menos neste momento, conhecemos o resultado dessa batalha: os inimigos de Deus serão destruídos e o nome do Senhor e Seus santos será vindicado.

Leia 1 Coríntios 15:1 e 2. Embora o contexto imediato não seja o Armagedom, qual é o argumento de Paulo, e por que é tão importante que nos lembremos disso, especialmente à luz do que o futuro nos reserva? Leia Apocalipse 16:15, que está no contexto do Armagedom. O que esses textos, em conjunto, revelam?
Ano Bíblico: Sl 40–45
Sexta-feira
Estudo adicional

“Em várias ocasiões na narrativa da batalha do Armagedom, as criaturas horrendas e os eventos assustadores ficam em segundo plano por um momento, e surge um vislumbre de uma verdade mais pessoal. Como vimos, uma delas está em Apocalipse 16:15: ‘Eis que venho como vem o ladrão. Bem-aventurado aquele que vigia e guarda as suas vestes, para que não ande nu, e não se veja a sua vergonha’. Esse texto, que aparece no meio da única passagem na Bíblia que realmente menciona o Armagedom, ecoa muitas passagens do Novo Testamento sobre a preparação pessoal para a volta de Jesus e os eventos finais.
“Outro texto é Apocalipse 17:14: ‘Esses guerrearão contra o Cordeiro, mas o Cordeiro os vencerá, pois Ele é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis – e os que estão com Ele são chamados, escolhidos e fiéis’ (tradução do autor). No fim, a grande guerra retratada nesse verso envolverá um exército de pessoas cujo objetivo primário não é destruir os outros com armas, mas ser fiel ao seu chamado e eleição divina. O Armagedom é uma batalha muito diferente das lutas travadas pelas nações e movimentos rebeldes hoje. Como eu tenho dito repetidamente, a batalha do Armagedom é uma luta pela mente. É também uma batalha pelo coração – um chamado à sincera fidelidade ao Cordeiro que foi morto” (Ap 5:9, 10, 12; 13:8; Jon Paulien, Armageddon at the Door. Hagerstown, Md.: Autumn House Publishing, uma divisão da Review and Herald, 2008, p. 193).

Perguntas para discussão
1. Muitos acreditam que vários eventos retratados no livro do Apocalipse acontecerão nos locais literais mencionados. Por que essa é uma maneira errada de interpretar os textos? Como ajudar as pessoas que pensam dessa forma?
2. A influência de Babilônia se estende por todo o mundo. Quais são os ensinos de Babilônia? Como discerni-los e evitá-los?
3. Ellen G. White escreveu: “A queda de Babilônia se completará quando […] a união da igreja com o mundo se tiver consumado em toda a cristandade.” Pense na frase: “a união da igreja com o mundo”. Que advertência poderosa encontramos aí?
Ano Bíblico: Sl 46–50
Ano Bíblico: Sl 23–30