Jesuseapalavra.com
" Ide por todo o mundo
e pregai o evangelho."
                 Marcos 16:15
Copyright©Todos os Direitos Reservados 2007-2017 Jesuseapalavra.com
Lição da Escola Sabatina
Principais temas de 1 e 2 Pedro
VERSO PARA MEMORIZAR: “Carregando Ele mesmo em Seu corpo, sobre o madeiro, os nossos pecados, para que nós, mortos para os pecados, vivamos para a justiça; por Suas chagas, fostes sarados” (1Pe 2:24).

LEITURAS DA SEMANA: Is 53:5, 6, 9; Lv 16:16-19; Lv 11:44; Rm 13:1-7; 1Co 14:40; 2Tm 3:16

As duas epístolas de Pedro foram escritas para fins práticos. Em 1 Pedro, o grande problema combatido pelo apóstolo foi a perseguição enfrentada pelos cristãos. Já em 2 Pedro, o problema foi os falsos mestres. Pedro escreveu com poder e autoridade, à medida que buscava encorajar seus leitores e adverti-los dos desafios que surgiam diante deles.
Pedro combateu ambos os problemas em termos teológicos. Os sofrimentos causados pela perseguição fizeram com que ele refletisse sobre a agonia e morte de Jesus, que nos trouxeram a salvação. Os falsos mestres enfrentarão a realidade do juízo, que ocorrerá depois da segunda vinda de Cristo à Terra. Esses são alguns dos temas abordados por Pedro em suas duas cartas.
A lição desta última semana analisa com mais detalhes cinco temas sobre os quais Pedro escreveu: os sofrimentos de Jesus que resultaram em nossa salvação; nossa resposta prática ao fato de que Deus julgará nossas ações no juízo final; a esperança que temos da breve volta de Jesus; a ordem na sociedade e na igreja; e a função das Escrituras em orientar nossa vida
Sábado à Tarde
Ano Bíblico: Sl 18–22
Domingo, 18 de junho

Domingo
Sofrimento, Jesus e salvação

1. Leia as seguintes passagens e escreva o que cada uma revela sobre a salvação:
1Pe 1:2
1Pe 1:8, 9 
1Pe 1:18, 19 
1Pe 2:22-25 
1Pe 3:18

Quando Pedro mencionava a salvação, geralmente apresentava esse tema no contexto do sofrimento de Cristo como Substituto dos pecadores. Por exemplo, em 1 Pedro 2:22-24, ao escrever sobre o sofrimento de Jesus, ele utilizou uma linguagem que refletia Isaías 53:5, 6, 9. “Carregando Ele mesmo em Seu corpo, sobre o madeiro, os nossos pecados [...] por Suas chagas, fostes sarados” (1Pe 2:24). Essa passagem revela os conceitos de substituição e sacrifício.
Em muitos dos sacrifícios descritos no Antigo Testamento, os pecadores traziam suas ofertas ao templo e impunham as mãos sobre elas. Esse ato transferia simbolicamente o pecado do pecador para o animal, que então morria em seu lugar (Lv 4:29, 30, 33, 34; 14:10-13). A impureza do pecado acumulada sobre o altar era purificada e removida no Dia da Expiação (Lv 16:16-19).
O sangue do sacrifício desempenhava função muito importante na expiação do pecado. Os cristãos foram remidos pelo precioso sangue de Jesus (1Pe 1:18, 19). Paulo também expressou a mesma ideia de substituição ao dizer que Cristo, que não conheceu o pecado, tornou-Se pecado por nós (2Co 5:21). De acordo com 1 Pedro 3:18, Jesus sofreu pelos pecados, o Justo pelos injustos.
Assim como Paulo (Rm 3:21, 22), Pedro enfatizou a necessidade de fé. Ele declarou: “Ao qual, não O havendo visto, amais [...] alcançando o fim da vossa fé, a salvação da alma” (1Pe 1:8, 9, ARC). A salvação não é obtida mediante o comportamento piedoso, mas concedida quando cremos no que Jesus fez por nós e O aceitamos como Salvador pessoal. Nossa garantia se encontra nEle, não em nós mesmos.

Por que Jesus, como nosso Substituto, é nossa grande esperança de salvação? Como essa maravilhosa verdade nos conforta?
Ano Bíblico: Sl 31–35
Segunda-feira
Como devemos viver?

Um tema retomado por Pedro com maior frequência do que qualquer outro é apresentado em sua pergunta: “Havendo, pois, de perecer todas estas coisas, que pessoas vos convém ser, em santo trato e piedade”? (2Pe 3:11, ARC).

2. Leia os textos seguintes. O que Pedro disse sobre o comportamento cristão? (1Pe 1:15-17, 22; 1Pe 2:1; 1Pe 3:8, 9; 1Pe 4:7-11; 2Pe 3:11). Assinale a alternativa correta:
A.( ) O cristão deve viver em santidade, obedecer a Deus, amar seu próximo e se livrar da maldade, hipocrisia, engano, inveja e maledicência.
B.( ) O cristão deve buscar satisfazer suas paixões carnais, priorizando o próprio eu.
C.( ) O cristão deve se submeter ao que sua consciência mandar.

Pedro discorreu sobre o comportamento cristão em diversas partes de suas duas cartas, e uma série de temas é recorrente. Primeiramente, ele enfatizou por duas vezes a relação entre o juízo de Deus e o comportamento cristão (1Pe 1:17; 2Pe 3:11). Deus julgará as obras de todos. Portanto, devemos viver em santidade.
Em segundo lugar, Pedro mencionou diversas vezes que os cristãos deveriam ser santos. No Antigo Testamento, as coisas santas eram separadas para uso no templo (Êx 26:34; 28:36; 29:6, 37) ou para os propósitos de Deus. Por exemplo, o sábado em Gênesis 2:3. O plano de Deus era que Seu povo fosse santo assim como Ele é santo, um tema que Pedro também abordou (Lv 11:44; 19:2; 1Pe 1:15, 16). O processo em que algo é separado para propósitos santos é chamado de “santificação”, e o desejo de Pedro era que seus leitores fossem santificados pelo Espírito e obedientes a Jesus (1Pe 1:2).
Em terceiro lugar, Pedro apresentou detalhes do comportamento apropriado aos santificados. Eles devem se livrar da maldade, engano, hipocrisia, inveja e maledicência (1Pe 2:1), ter o mesmo modo de pensar, amor uns pelos outros e humildade (1Pe 3:8, 9, NVI). Também devem ter piedade, fraternidade e amor (2Pe 1:5-7) intenso e constante (1Pe 4:7-11). Por último, Pedro encorajou seus ouvintes a lançar sua ansiedade sobre Jesus (1Pe 5:7).

Como podemos encorajar uns aos outros sem fazer julgamentos? Como podemos viver de acordo com o chamado feito nas epístolas de Pedro?
Ano Bíblico: Sl 36–39

Terça-feira
Esperança na segunda vinda

3. O que os seguintes textos dizem sobre os eventos futuros?
1Pe 1:4 __________________________________________________________________
1Pe 1:17 __________________________________________________________________
1Pe 4:5, 6 __________________________________________________________________
1Pe 4:17 __________________________________________________________________
2Pe 3:1-10 __________________________________________________________________

Um dos problemas críticos enfrentados pelos leitores de 1 Pedro era a perseguição. Pedro os confortou com o pensamento de que, embora sua vida se tornasse difícil por causa da perseguição, havia uma recompensa futura esperando por eles no Céu, algo que não poderia ser tirado deles. Logo no início de sua primeira epístola, ele mencionou que temos uma herança incorruptível reservada no Céu (1Pe 1:4).
Pedro destacou dois acontecimentos futuros: o juízo final e a destruição do mal por meio do fogo. Em outras palavras, ele revelou que, embora os cristãos estivessem sendo perseguidos naquele momento, a justiça e o juízo seriam feitos, e eles receberiam sua recompensa eterna.
O apóstolo mencionou o juízo em três ocasiões distintas (1Pe 1:17; 4:5, 6, 17). Ele afirmou que Deus, o Pai, julga todos os seres humanos de maneira imparcial, segundo suas obras (1Pe 1:17). Ele também declarou que o próprio Jesus está pronto para julgar os vivos e os mortos (1Pe 4:5). Além disso, Pedro também fez a intrigante observação de que o juízo começaria pela casa de Deus (1Pe 4:17).
O apóstolo enfatizou que “os ímpios” serão destruídos pelo fogo que envolverá o mundo todo (2Pe 3:7).
Ele teve que lidar com problemas relacionados ao questionamento da crença na volta de Cristo (2Pe 3:1-10). O apóstolo ressaltou que a razão da “demora” de Seu retorno era possibilitar que mais pessoas se arrependessem e fossem salvas. Ele destacou também que a certeza de um futuro “ajuste de contas” deveria convencer todos a viver de maneira santa e irrepreensível.
Portanto, por mais que o foco de Pedro estivesse no presente e na vida cristã prática, ele ainda mantinha diante de seus leitores a esperança do futuro que os aguardava. Em suma, independentemente das circunstâncias naquela ocasião, eles precisavam seguir em frente em fé e obediência.

Por que devemos avançar em frente em fé e obediência, independentemente das circunstâncias?
Quarta-feira
Ano Bíblico: Sl 40–45

Ordem na sociedade e na igreja

4. De acordo com 1 Pedro 2:11-21 e 1 Pedro 5:1-5, qual é a importância do governo e da liderança da igreja? Como os cristãos devem se portar diante de ambos? Assinale a alternativa correta:
A.( ) Eles servem apenas para nos oprimir, cobrar impostos abusivos e acabar com nossa liberdade individual. Os cristãos devem rejeitar qualquer autoridade na Terra, seja do governo ou da igreja, pois devem obedecer somente ao Senhor.
B.( ) Eles são designados por Deus para deter os malfeitores. Os cristãos devem se sujeitar a toda e qualquer autoridade, desde que ela não esteja em oposição à vontade de Deus.
C.( ) Eles não têm importância alguma. Os cristãos devem manter distância das autoridades e fazer o que lhes convém.

Na época de Pedro, os cristãos eram eventualmente perseguidos pelo governo e pelas autoridades religiosas. Isso torna ainda mais significativo o que ele e Paulo tinham a dizer sobre a função correta das autoridades governamentais (1Pe 2:13-17; Rm 13:1-7). Ambos acreditavam que os governantes eram constituídos pelo próprio Deus a fim de deter os malfeitores. Todavia, é evidente que em algumas ocasiões o problema pode ser o próprio governo vigente. Os cristãos enfrentaram essa dificuldade nos dias de Pedro, e por muitos anos ela só piorou.
Contudo, por via de regra, a ideia era que um bom governo preservaria a lei, a ordem e a segurança. Ainda hoje existem exemplos em que a lei e a ordem são quebradas. Podemos ver a necessidade desesperada de se ter um governo justo. Um bom governo é uma bênção que Deus concedeu à humanidade.
Pedro compartilhava da convicção de Paulo de que a boa administração da igreja também é importante. Paulo enfatizou que tudo devia ser feito com decência e ordem nos cultos (1Co 14:40). Semelhantemente, Pedro pediu aos líderes da igreja que pastoreassem o rebanho de Deus que lhes havia sido confiado (1Pe 5:2). Eles deviam fazer isso com humildade e cuidado.
As igrejas precisam ser bem conduzidas. Bons líderes apresentam visão e coerência. Eles habilitam outros a exercer seus dons espirituais para a glória de Deus.

Conforme 1 Pedro 5:5, devemos nos revestir de humildade no trato de uns com os outros. Como podemos aplicar esse princípio aos nossos relacionamentos?
Ano Bíblico: Sl 46–50

Quinta-feira
A primazia das Escrituras

5. De acordo com os seguintes textos, qual deve ser o papel da Bíblia em nossa vida e fé? 1Pe 1:10-12; 2Pe 1:16-20; 2Pe 3:2, 16. Assinale “V” para verdadeiro ou “F” para falso:
A.( ) Exortar-nos e firmar nossa fé.
B.( ) Dar testemunho de Jesus Cristo e da salvação, e nos livrar dos enganos, por meio das profecias e do seu cumprimento na História.
C.( ) Lembrar-nos das palavras dos santos profetas e dos mandamentos do Senhor.

Em sua segunda carta, Pedro confrontou os falsos mestres. Ele guiou seus leitores a duas fontes de autoridade, dizendo que devemos nos recordar “das palavras que, anteriormente, foram ditas pelos santos profetas, bem como do mandamento do Senhor e Salvador, ensinado pelos vossos apóstolos” (2Pe 3:2). Hoje podemos recorrer às mesmas fontes de autoridade. Em primeiro lugar, temos as palavras dos “santos profetas”, isto é, o Antigo Testamento. Em segundo lugar, embora não tenhamos mais os apóstolos em vida, em certo sentido temos algo melhor: seu testemunho inspirado, revelado no Novo Testamento.
Mateus, Marcos, Lucas e João nos legaram a história completa da vida, morte e ressurreição de Jesus. No livro de Atos, Lucas nos deixou os registros das atividades dos apóstolos. Podemos ler as palavras inspiradas dos próprios discípulos. Paulo escreveu veementemente sobre a autoridade da Palavra de Deus (2Tm 3:16). Pedro também guiou seus leitores às Escrituras como fonte de autoridade moral e doutrinal.
Em 2 Pedro 3:16, ele advertiu seus leitores e ouvintes de que, embora a Bíblia seja a fonte da verdade, se não prestarmos cuidadosa atenção à mensagem que o Espírito Santo deseja nos comunicar, a própria fonte da verdade pode ser mal interpretada, e isso pode trazer consequências terríveis.
As palavras de Pedro devem nos lembrar dos princípios básicos de estudo da Palavra de Deus. Precisamos ler o texto bíblico em espírito de oração, considerando o contexto do capítulo, do livro e de toda a Bíblia. O que o autor abordava especificamente quando escreveu o texto? Devemos lê-lo à luz das circunstâncias históricas em que foi escrito. (No caso de 1 e 2 Pedro, o Império Romano do primeiro século). Devemos ler a passagem bíblica buscando discernimento espiritual, sabendo que a salvação mediante o sacrifício de Cristo é a mensagem central da Bíblia (1Pe 1:10-12). Finalmente, devemos tentar aplicar a mensagem à nossa vida. Qual verdade Deus deseja nos comunicar? Como podemos aplicar a Bíblia à nossa experiência de maneira que ela contribua positivamente para o reino de Deus?
Ano Bíblico: Sl 51–55
Sexta-feira
Estudo adicional

Mesmo em meio a densa teologia, as cartas de Pedro dão forte ênfase à vida cristã e à maneira pela qual devemos tratar uns aos outros. Em outras palavras, precisamos conhecer a verdade como ela é em Jesus. Porém, ainda mais importante, precisamos vivê-la. Estas palavras grandiosas se encontram logo no início da primeira epístola de Pedro: “Tendo purificado a vossa alma, pela vossa obediência à verdade, tendo em vista o amor fraternal não fingido, amai-vos, de coração, uns aos outros ardentemente” (1Pe 1:22). Pedro relacionou a purificação da nossa mente à obediência à verdade. A verdade nos transforma em pessoas que se amam fervorosamente, com um “coração puro”. A obediência, a pureza de coração e o amor estão relacionados. Esse é o ideal pelo qual devemos lutar. Imagine quanto nossa vida e nossas igrejas seriam diferentes se seguíssemos essa ordem. Pense no que ela faria ao sentimento de unidade da igreja. “Irmãos, levareis convosco o espírito de Cristo ao voltardes para vosso lar e igreja? Haveis de abandonar a incredulidade e a crítica? Estamos nos aproximando de um tempo em que, mais do que nunca, precisamos nos unir e trabalhar juntos. Há força na união. Na discórdia e desunião só há fraqueza” (Ellen G. White, Mensagens Escolhidas, v. 2, p. 374).

Perguntas para reflexão
1. Como podemos esperar e apressar o dia de Deus (2Pe 3:12), isto é, a segunda vinda de Cristo?
2. Como devemos ler e interpretar corretamente aquele que é considerado o “segundo livro de Deus”, a natureza? Infelizmente, como acontece com o primeiro (a Bíblia), o segundo livro é mal interpretado, quando se elimina dele a ideia de projeto (design) e propósito, pela filosofia darwiniana da mutação aleatória e seleção natural. Muitos imaginam que o mundo apenas parece planejado, mas surgiu do acaso. Como ler e interpretar a natureza da maneira certa? Quais são os limites dela em seus ensinos sobre Deus? Que ajuda podemos obter da Bíblia para compreender corretamente a natureza? O que devemos fazer quando a natureza contradiz nossa interpretação da Bíblia?
Marcos 16:15