" Ide por todo o mundo e pregai o evangelho
          Marcos 16:15
Jesuseapalavra.com
Copyright©Todos os Direitos Reservados 2007-2018 Jesuseapalavra.com
Marcos 16:15
Lição da Escola Sabatina
 
Misericórdia e justiça em Salmos e Provérbios
VERSO PARA MEMORIZAR: “Defendei o pobre e o órfão; fazei justiça ao aflito e necessitado. Livrai o pobre e o necessitado; tirai-os das mãos dos ímpios” (Sl 82:3, 4; ARC).

LEITURAS DA SEMANA: Sl 9:7-9, 13-20; 82; 101; 146; Pv 10:4; 13:23, 25; 30:7-9

Os livros de Salmos e Provérbios descrevem a experiência com Deus nas coisas comuns da vida, não apenas em momentos de adoração ou em outras atividades religiosas. Enquanto o livro de Provérbios oferece uma gama de conselhos da sabedoria prática, desde relacionamentos e família a negócios e governo, os Salmos são uma coletânea de cânticos que compreende uma variedade de emoções e experiências espirituais, desde lamentos e louvores exultantes e tudo o mais. Sabemos que nossa fé deve fazer a diferença em todos os aspectos e experiências da nossa vida, pois Deus tem especial interesse em cada um deles.
Entretanto, toda reflexão sobre a vida neste mundo decaído dificilmente ignora a injustiça que tanto permeia a condição humana. Na verdade, ela é repetidamente descrita como algo com que nosso Senhor Se importa e procura aliviar. Ele é a esperança dos desesperados.
Embora possamos tocar apenas brevemente no que esses livros declaram sobre o assunto, talvez esta lição possa inspirá-lo a ser mais proativo em atender às necessidades dos pobres, oprimidos e negligenciados. Que o estudo resulte na sua decisão de responder a esse chamado de Deus!
Sábado à tarde
Domingo
Salmos: cânticos de esperança para os oprimidos

Como já observamos, Deus vê e ouve pessoas em aflição e dificuldade. Na maioria das vezes, nos Salmos, vemos o clamor de pessoas que confiavam em Deus, mas não viam a justiça sendo feita. As afirmações sobre a bondade, a justiça e o poder de Deus pareciam sufocadas diante da injustiça e opressão vivenciadas e observadas pelas vozes desses cânticos.
No entanto, esses são os hinos dos que ainda estavam cantando. Nem sua vida nem sua fé haviam se extinguido. Ainda havia esperança; e a urgência era que Deus agisse antes que fosse tarde demais, antes que o mal triunfasse, antes que os oprimidos fossem destruídos pelo peso do mal trazido contra eles. Dessa maneira, os escritores dos Salmos tentaram preencher a lacuna entre as declarações de sua fé e as provações e tragédias da vida.

1. Leia o Salmo 9:7-9, 13-20. Com base no texto, você imagina as circunstâncias em que Davi estava? Pode sentir a tensão entre sua fé na bondade de Deus e sua experiência? Como fica sua fé em meio às provações?

Ao longo dos Salmos, a repetida resposta a essa tensão é a esperança e a promessa do bom e justo juízo de Deus. O mal e a injustiça parecem triunfar por enquanto, mas Deus julgará os malfeitores e os injustos. Eles serão punidos, enquanto os que eles feriram e oprimiram serão restaurados e renovados.
Na obra Lendo os Salmos, C. S. Lewis descreveu sua surpresa inicial com o entusiasmo e o anseio pelo juízo de Deus expressados repetidamente nos Salmos. Observando que muitos leitores da Bíblia hoje consideram o juízo como algo a ser temido, ele considerou a perspectiva judaica original e escreveu: “Centenas e milhares de pessoas que foram despojadas de tudo o que possuíam e que tinham o direito inteiramente ao seu lado seriam, por fim, ouvidas. É claro que elas não temiam o juízo. Sabiam que seu caso era inquestionável – desde que conseguissem ser ouvidas. Quando Deus viesse, sua causa, por fim, seria julgada” (C. S. Lewis, Lendo os Salmos
[Viçosa, MG: Editora Ultimato, 2015], p. 19).
Nos Salmos, vemos esperança para os oprimidos, mesmo agora, em meio a seus sofrimentos e decepções.

Quais razões temos para considerar a ideia de juízo uma coisa positiva e não algo a ser temido?
Ano Bíblico: Ct 1-4
20 a 26 de julho
Segunda-feira
“Faça alguma coisa, Deus!”

2. Leia o Salmo 82. Qual é a mensagem desse cântico para nós? Assinale a alternativa correta:
A. (  ) Podemos ser parciais no julgamento, pois todos são diferentes.
B. (  ) Devemos julgar com justiça, defendendo os pobres e aflitos.

Apesar da organização e dos estatutos de sociedade dados por Deus à nação israelita, em vários momentos de sua história o povo não conseguiu cumprir esse plano. Muito facilmente Israel se tornou como as nações ao seu redor, vivenciando em um modelo de injustiça e opressão. Líderes e juízes cuidavam apenas de si mesmos, e o favor deles podia ser comprado com suborno. Sem os tribunais para proteger o povo, as pessoas comuns e os pobres, em especial, estavam sujeitos à exploração.
O Salmo 82 é uma resposta a essa situação. Ele descreve a função de Deus como Juiz supremo e retrata uma cena em que o Senhor julga os líderes e até mesmo os juízes do povo. Esse salmo enfatiza que aqueles que preenchem tais funções na sociedade “são apontados para agir como juízes sob Sua administração” (Ellen G. White, Profetas e Reis, p. 198). Eles mantêm sua posição e conduzem seu trabalho como representantes e subordinados de Deus. Na visão do salmista, a justiça de Deus é um modelo de como deveria funcionar a justiça terrestre, e a sua percepção apresenta a medida com a qual serão julgados essa justiça ou injustiça e aqueles que a dispensam.
O salmo termina com um pedido específico para que Deus aja (Sl 82:8), intervenha e interrompa a injustiça tão predominante na nação. Como muitos salmos, essa poesia dá voz aos que não têm voz, aos oprimidos cujas vozes foram silenciadas pelos sistemas injustos em que eles viviam e trabalhavam.
O Salmo 82 faz uma apelação a Deus em Sua posição de Juiz supremo e soberano Governante do Universo. Não existe tribunal nem autoridade superior para os quais tal apelação possa ser feita.  Existe a segurança de que mesmo que os tribunais terrestres não ouçam os clamores dos pobres e oprimidos, ainda há uma inegável oportunidade de pedir ajuda.
Em certos momentos da vida podemos nos ver como vítimas da injustiça, mas em outros podemos cometê-la. No Salmo 82, encontramos discernimento e sabedoria, quer sejamos os oprimidos ou os opressores. Deus também Se preocupa com os juízes injustos, descrevendo-os como Seus filhos, e deseja que eles escolham viver melhor (veja Sl 82:6). Portanto, há esperança até para os que estão do lado dos opressores, se eles permitirem que Deus os transforme.
Terça-feira
Promessas de um rei

3. Leia o Salmo 101. Embora escrito para líderes, qual conselho importante podemos extrair para nós, seja qual for nossa posição na vida? Assinale “V” para verdadeiro ou “F” para falso:
A. (  ) Devemos buscar justiça apenas para nós mesmos.
B. (  ) Precisamos promover a justiça em todos os aspectos e para todas as pessoas.

O Salmo 101 é um texto para líderes. Acredita-se que esses versos foram compostos por Davi nos seus primeiros dias como rei de Israel. Eles podem até ter sido adaptados de votos que ele fez no momento de sua coroação. Em sua experiência como guerreiro de Saul e depois sendo fugitivo dele, Davi testemunhou por si mesmo como um rei que “perde a cabeça” pode prejudicar a nação e a própria família. Davi decidiu que ele seria um líder diferente.

Poucos de nós somos líderes políticos ou de uma nação, mas temos funções em que temos a oportunidade de influenciar e encorajar os outros. Essas atribuições podem ser em nossa vida profissional, no envolvimento comunitário, na família ou na igreja. Como Ellen G. White comentou sobre um desses contextos de liderança, “os votos de Davi, registrados no Salmo 101, devem ser os de todos sobre quem repousam as responsabilidades de zelar pelas influências do lar” (Conselhos aos Pais, Professores e Estudantes, p. 119).
Quando tivermos oportunidade, devemos estar preparados para sugerir e defender esses princípios aos que ocupam posições de liderança. E todos nós, em nossa liderança e esferas de influência, temos a oportunidade de aplicar os princípios de liderança de Davi a fim de que sejamos uma bênção para os outros.
O ponto de partida para Davi foi honrar a Deus por Sua misericórdia e justiça (Sl 101:1), que se tornaram o fundamento de tudo o que Davi buscou defender em sua liderança. Ele buscou aprender e praticar essas características em sua vida e obra. Para fazer isso, ele teve que resistir às tentações de praticar delitos, corrupção e desonestidade, os quais são armadilhas especiais aos que estão em posições de liderança.
Sabendo da importância dos bons conselheiros para ajudá-lo a fazer o que era correto, Davi prometeu buscar pessoas confiáveis e nomear oficiais honestos. Justiça e misericórdia deveriam marcar sua liderança, mesmo entre os que trabalhavam com ele.

Ainda que não estejamos numa posição em que tenhamos conselheiros e oficiais, como podemos preencher nossa vida com influências que nos ajudem a viver e a liderar com justiça e misericórdia em favor dos que precisam?

Ano Bíblico: Is 1-4
Quarta-feira
Andando com o Senhor

Ao nos aproximarmos do fim do livro de Salmos, as exclamações de louvor parecem aumentar cada vez mais. Os cinco últimos Salmos começam com a ordem simples e direta: “Louvai ao Senhor!”; porém, o primeiro deles, o Salmo 146, tem como a principal razão para esse louvor um foco especial no interesse de Deus pelos pobres e oprimidos.

4. Leia o Salmo 146. Qual é a mensagem dele para nós? O que Deus estava dizendo, especialmente nos versos 5 a 9?

Com a mesma certeza de que Deus é o Criador deste mundo (veja Sl 146:6), esse Salmo descreve Sua obra contínua como juiz, provedor, libertador, curador, auxiliador e defensor. Esses atributos têm seu foco em pessoas que necessitam especificamente desse tipo de ajuda. É uma visão inspiradora do que Deus faz e busca fazer em nossa vida, em nossa comunidade e em nosso mundo.
Às vezes pensamos no cuidado para com os necessitados como algo que devemos fazer porque Deus mandou. Mas o Salmo 146 declara que Deus já cuida deles – e somos convidados a nos unir a Ele. Quando trabalhamos contra a pobreza, a opressão e a doença estamos verdadeiramente trabalhando com Deus dentro dos Seus propósitos. Que maior privilégio pode haver do que participar com o Senhor do cumprimento de algo tão inspirador quanto o Salmo 146?
No entanto, também existem benefícios para nós. Muitas vezes, os cristãos falam de sua busca por Deus e do seu desejo de ter um relacionamento mais próximo com Ele. Contudo, o Salmo 146:7-9 e muitos outros na Bíblia indicam que uma forma de encontrar Deus é participar do que Ele faz. Portanto, se Ele trabalha para erguer os pobres, doentes e oprimidos, como o Salmo 146 declara, também deveríamos trabalhar com Ele. “Cristo veio a este mundo para andar e trabalhar entre os pobres e sofredores. Eles receberam a maior parte da Sua atenção. E hoje, na pessoa de Seus filhos, Ele visita os pobres e os necessitados, aliviando os angustiados e sofredores. [...]
“Eliminando-se o sofrimento e a necessidade não teríamos nenhuma forma de compreender a misericórdia e o amor de Deus, não conheceríamos o compassivo e complacente Pai celestial. Jamais o evangelho assume uma expressão maior de graça do que quando é levado às regiões mais desfavorecidas e necessitadas” (Ellen G. White, Testemunhos Para a Igreja, v. 7, p. 226).

Qual tem sido sua experiência de proximidade com Deus ao servir aos outros?
Ano Bíblico: Is 5-7
Quinta-feira
Provérbios: misericórdia para com os necessitados

Como uma coleção de ditados de sabedoria, o livro de Provérbios trata de uma diversificada série de assuntos e experiências da vida. Entre eles estão reflexões sobre a pobreza, riqueza, contentamento, justiça e injustiça – e, às vezes, sob diferentes ângulos. A vida nem sempre é simples e fácil, e Provérbios nos alerta para as diferentes circunstâncias e escolhas que influenciam a maneira de viver, mesmo entre os que são fiéis a Deus.

5. Leia e compare Provérbios 10:4; 13:23, 25; 14:31; 15:15, 16; 19:15, 17; 30:7-9. De acordo com esses textos, o que é relevante em relação às questões de riqueza, pobreza e ajuda aos necessitados?

Provérbios enfatiza a preocupação e atenção que Deus tem para com os pobres e vulneráveis. Às vezes, as pessoas são pobres devido às circunstâncias, más escolhas ou exploração, mas sejam quais forem as causas de sua situação, o Senhor ainda é descrito como seu Criador (Pv 22:2) e Defensor (Pv 22:22, 23). Não devemos oprimir nem nos aproveitar dessas pessoas, quaisquer que sejam seus erros.
Embora Provérbios apresente uma vida melhor por meio da escolha da sabedoria e da obediência a Deus, as riquezas nem sempre são resultado da bênção do Senhor. A fidelidade a Deus é sempre vista como mais importante e, em última análise, mais recompensadora do que o ganho material: “Melhor é o pouco, havendo justiça, do que grandes rendimentos com injustiça” (Pv 16:8).
Outra questão em Provérbios é a honestidade e o tratamento justo nos negócios, no governo e na administração da justiça (veja Pv 14:5, 25; 16:11-13; 17:15; 20:23; 21:28; 28:14-16). A mensagem de Provérbios não se concentra apenas na vida dos indivíduos, mas também apresenta uma visão de como a sociedade deve funcionar para o benefício de todos, especialmente para aqueles que precisam de proteção. Somos lembrados novamente de que, em seu melhor desempenho, aqueles que governam e lideram o fazem com a ajuda de Deus (veja Pv 8:15, 16) e devem agir como agentes de Sua graça, tendo compaixão dos necessitados.

É fácil sentir pena de quem está em má situação. Como, porém, podemos transformar esse sentimento em ação?
Ano Bíblico: Is 8-10
Sexta-feira
Estudo adicional

Texto de Ellen G. White: Patriarcas e Profetas, p. 746-755 (“Os Últimos Anos de Davi”). Consulte a obra Lendo os Salmos, p. 17-26 (“O ‘Juízo’ no Livro de Salmos”), de C. S. Lewis.
“Os salmos de Davi passam por uma série completa de experiências, desde as profundezas da culpabilidade consciente e condenação própria até a fé mais sublime e a mais exaltada comunhão com Deus. O registro de sua vida declara que o pecado pode apenas trazer ignomínia e desgraças, mas mostra que o amor e a misericórdia de Deus podem alcançar as maiores profundidades, e que a fé erguerá a pessoa arrependida para que participe da adoção de filhos de Deus. De todas as declarações que Sua Palavra contém, isto é um dos mais fortes testemunhos da fidelidade, da justiça e da misericórdia de Deus em Sua aliança” (Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, p. 754).
Pense na sabedoria no livro de Provérbios: “Tais são princípios que dizem respeito ao bem-estar da sociedade e das associações tanto seculares como religiosas. São estes princípios que dão segurança à propriedade e à vida. Tudo que contribui para que a confiança e a cooperação sejam possíveis, o mundo deve à lei de Deus, conforme se acha em Sua Palavra e ainda se encontra delineada, em traços muitas vezes obscuros e quase obliterados, no coração dos homens” (Ellen G. White, Educação, p. 137).

Perguntas para discussão
1. Em quais aspectos você se considera um líder e alguém numa posição de influência? Como você pode ser um agente de justiça nesses aspectos?
2. Pense na cultura e nas estruturas sociais em que você vive. O que está ao seu alcance fazer pelos necessitados?
3. Como os princípios de justiça e equidade fortalecem a sociedade?
4. Embora o livro de Provérbios se concentre na sabedoria para se ter uma vida feliz e próspera, o que ele revela sobre Deus?

Resumo:
Salmos e Provérbios enfatizam os desafios de viver fielmente em meio às experiências e provações. Eles apresentam a visão de Deus para sociedade e Sua preocupação para com os pobres e oprimidos. Ele protege os que são, muitas vezes, ignorados ou explorados. E se Deus age assim, nós devemos agir assim também.
Ano Bíblico: Is 11-14
Ano Bíblico: Ct 5-8