Jesuseapalavra.com
" Ide por todo o mundo
e pregai o evangelho."
                 Marcos 16:15
Copyright©Todos os Direitos Reservados 2007-2017 Jesuseapalavra.com
Lição da Escola Sabatina
Fé e Antigo Testamento
VERSO PARA MEMORIZAR: “Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-Se Ele próprio maldição em nosso lugar (porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado em madeiro)” (Gl 3:13).

LEITURAS DA SEMANA: Gl 3:1-14; Rm 1:2; 4:3; Gn 15:6; 12:1-3; Lv 17:11; 2Co 5:21

“Um garoto havia feito um pequeno barco, todo pintado e preparado com muita beleza. Certa vez, alguém roubou seu barco, e ele ficou angustiado. Um dia, ao passar por uma loja de penhores, ele viu seu barco. Com alegria, correu até o dono da loja e disse: ‘Aquele é o meu pequeno barco!’ ‘Não’, disse o homem, ‘ele é meu, porque eu o comprei’. ‘Sim’, disse o garoto, ‘mas ele é meu, porque eu o fiz.’ ‘Bem’, disse o comerciante, ‘se você me pagar dois dólares, pode levá-lo’. Como não tinha dinheiro, cortou grama, fez todo tipo de trabalhos pequenos, e logo obteve o dinheiro.
Ele entregou o dinheiro e recebeu o barco. Pegou o barco em seus braços, o beijou e disse: ‘Amo você, querido barquinho. Você é meu duas vezes. Eu fiz você, e agora eu comprei você.’
“Assim acontece conosco. Somos duas vezes do Senhor. Ele nos criou, e acabamos na casa de penhores do diabo. Então, Jesus veio ao mundo e nos comprou a um custo elevado. Não foi prata nem ouro, mas Seu precioso sangue. Somos do Senhor pela criação e pela redenção” (William Moses Tidwell, Pointed Illustrations [Ilustrações Selecionadas], Kansas City, Missouri: Beacon Hill Press, 1951, p. 97)
Sábado à Tarde
Ano Bíblico: Ct 5–8
Ano Bíblico: Is 1–4

Domingo
Os insensatos gálatas

1. Leia Gálatas 3:1-5. Resuma abaixo o que Paulo disse a eles. Em que sentido podemos estar em perigo de cair na mesma armadilha espiritual, de começar bem e depois cair no legalismo?

Diversas traduções modernas têm tentado captar o sentido das palavras de Paulo no verso 1, sobre os gálatas “insensatos”. A palavra que Paulo usou, em grego, é ainda mais forte do que essa. Ela é anoetoi, que vem da palavra para designar “mente” (nous). Literalmente, significa “estúpido”. Os gálatas não estavam pensando. Paulo não parou por aí. Ele disse que, visto que eles estavam agindo de maneira tão insensata, ele queria saber se algum mágico havia lançado um feitiço sobre eles. “Quem os enfeitiçou?” Sua escolha de palavras aqui pode até sugerir que a principal fonte por trás da condição deles fosse o diabo (2Co 4:4).
O que deixou Paulo tão perplexo no tocante à apostasia dos gálatas em relação ao evangelho foi que eles sabiam que a salvação estava fundamentada na cruz de Cristo. Eles não poderiam ter dúvidas sobre isso. A palavra traduzida como “representado” (ARC) ou “exposto” (ARA), em Gálatas 3:1, significa literalmente “anunciado em cartaz”, ou “retratado”. Era usada para descrever todas as proclamações públicas. Paulo estava dizendo que a cruz era tão importante em sua pregação que os gálatas tinham, com efeito, visto o Cristo crucificado com os olhos da mente (1Co 1:23; 2:2). Em certo sentido, ele estava dizendo que, por suas ações, eles estavam se afastando da cruz.
Em seguida, Paulo comparou a experiência dos gálatas com a maneira pela qual eles, no começo, haviam experimentado a fé em Cristo. Para isso, ele fez algumas perguntas retóricas. Como eles haviam recebido o Espírito, ou seja, como eles haviam se tornado cristãos, no começo? E de uma perspectiva um pouco diferente, por que Deus havia concedido o Espírito? Foi porque eles haviam feito algo para merecê-Lo? Certamente, não! Em vez disso, foi porque eles haviam acreditado nas boas-novas do que Cristo já havia feito por eles. Tendo começado tão bem, o que faria com que eles pensassem que tinham que passar a confiar em seu próprio comportamento?

Você costuma ter estes pensamentos: “Estou me saindo muito bem”, “Sou um bom cristão, não faço isso, não faço aquilo […]”? Mesmo que de maneira sutil, você pensou que é suficientemente bom para ser salvo? O que há de errado com essa situação?
Ano Bíblico: Is 5–7
Segunda-feira
Fundamentado nas Escrituras

Até Gálatas 3:5, Paulo defendeu seu evangelho da justificação pela fé apelando ao acordo feito com os apóstolos em Jerusalém (Gl 2:1-10) e à experiência pessoal dos gálatas (Gl 3:1-5). A partir de Gálatas 3:6, Paulo se voltou para o testemunho das Escrituras para a confirmação final e principal do seu evangelho. Gálatas 3:6 a 4:31 é composto por argumentos progressivos fundamentados nas Escrituras.

2. O que Paulo quis dizer quando escreveu sobre as “Escrituras” em Gálatas 3:6-8? Assinale a alternativa correta, considerando Romanos 1:2; 4:3; 9:17.
A.( ) Ele se referiu aos apócrifos.
B.( ) Ele se referiu ao Antigo Testamento.

Na época em que Paulo escreveu a Epístola aos Gálatas não existia o “Novo Testamento”. Paulo foi o primeiro escritor do Novo Testamento. O Evangelho de Marcos provavelmente seja o mais antigo dos quatro evangelhos, mas possivelmente ele não tivesse sido escrito até por volta da época da morte de Paulo (65 d.C.), ou seja, cerca de quinze anos depois da carta de Paulo aos Gálatas. Assim, quando o apóstolo se referia às Escrituras, ele tinha em mente apenas o Antigo Testamento.
O Antigo Testamento desempenhou papel importante nos ensinamentos de Paulo. Ele não o via como palavras mortas, mas como a autorizada e viva Palavra de Deus. Em 2 Timóteo 3:16, ele escreveu: “Toda a Escritura é inspirada por Deus”. A palavra traduzida por “inspirada” é theopneustos. A primeira parte da palavra (theo) significa “Deus”, enquanto a segunda parte significa “inspirar”. A Escritura é “inspirada por Deus”. Paulo utilizou as Escrituras para demonstrar que Jesus é o Messias prometido (Rm 1:2), para dar instrução sobre a vida cristã (Rm 13:8-10) e para provar a validade de seus ensinamentos (Gl 3:8, 9).
Paulo citou o Antigo Testamento centenas de vezes em todas as suas cartas, exceto nas menores, Tito e Filemon.

3. Leia Gálatas 3:6-14. Identifique os trechos do Antigo Testamento citados nesses versos, relacionando-os com as colunas. Reflita sobre a autoridade do Antigo Testamento.
A.( ) Abraão creu “e isso lhe foi imputado para justiça”1. Gn 12:3.
B.( ) “Em ti, serão abençoados todos os povos”2. Dt 27:26.
C.( ) “Maldito todo aquele que não permanece em todas as coisas” 3. Gn 15:6.
D.( ) “Aquele que observar os seus preceitos por eles viverá”4. Dt 21:22, 23.
E.( ) “Maldito todo aquele que for pendurado em madeiro”5. Lv 18:5.

Você já chegou a pensar que uma parte da Bíblia seja mais “inspirada” do que as outras? Diante da afirmação de Paulo em 2 Timóteo 3:16, qual é o perigo de seguir por esse caminho?
Ano Bíblico: Is 8–10

Terça-feira
Considerado justo

4. Por que Paulo apelou primeiramente a Abraão ao examinar as Escrituras em busca de confirmação para sua mensagem evangélica? Gl 3:6

Abraão é uma figura central no judaísmo. Não somente foi o pai do povo judeu, mas os judeus na época de Paulo também o consideravam o modelo de como deveria ser um verdadeiro judeu. Muitos não só acreditavam que sua característica essencial fosse a obediência, mas que Deus teria declarado que Abraão era justo por causa dessa obediência. Afinal, Abraão deixou sua terra natal e sua família, aceitou a circuncisão e estava disposto até a sacrificar seu filho, conforme a ordem de Deus. Isso é obediência! Insistindo na questão da circuncisão, os oponentes de Paulo certamente utilizaram esses mesmos argumentos.
Paulo, entretanto, respondeu com o mesmo argumento, apelando para Abraão nove vezes em Gálatas, mostrando que o patriarca havia sido um exemplo de fé, e não da observância da lei apenas.

5. O que significa ter a fé creditada [imputada] “como justiça”? Gn 15:6; Rm 4:3-6, 8-11, 22-24

Ao passo que justificação é uma metáfora tirada do mundo jurídico, a palavra contada e considerada é uma metáfora tirada do mundo dos negócios. Pode significar “creditar” ou “colocar algo na conta de alguém”. Não é utilizada em referência a Abraão apenas em Gálatas 3:6, mas ocorre outras onze vezes em conexão com o patriarca. Algumas versões da Bíblia a traduzem como contado, considerado ou imputado.
De acordo com a metáfora de Paulo, a justiça é colocada em nossa conta. Contudo, a questão é: Em qual base Deus nos considera justos? Certamente, não pode ser na base da obediência, apesar do que os adversários de Paulo alegavam. Não importa o que eles disseram sobre a obediência de Abraão, as Escrituras afirmam que Deus o justificou por causa de sua fé.
A Bíblia é clara: a obediência de Abraão não foi o fundamento de sua justificação; ela foi, em vez disso, o resultado. Ele não fez as coisas que fez a fim de ser justificado; fez porque já havia sido justificado. Justificação conduz à obediência, e não o contrário.

Você não é justificado pelas coisas que faz, mas somente pelo que Cristo fez em seu favor. O que esse fato significa para você? Por que essa é uma notícia tão boa? Como tornar essa verdade parte da sua vida, ou seja, acreditar que ela se aplica a você, pessoalmente, não importando suas lutas do passado e do presente?


Quarta-feira
Ano Bíblico: Is 11–14
O evangelho no Antigo Testamento

Em Gálatas 3:8, Paulo disse: “Ora, tendo a Escritura previsto que Deus justificaria pela fé os gentios, preanunciou o evangelho a Abraão: Em ti, serão abençoados todos os povos” (Gl 3:8). Paulo escreveu que não somente o evangelho foi pregado a Abraão, mas que foi pregado por Deus; assim, esse foi o verdadeiro evangelho. Mas, quando Deus pregou o evangelho a Abraão? A citação de Paulo de Gênesis 12:3 indica que ele tinha em mente a aliança que Deus fez com Abraão quando o chamou em Gênesis 12:1-3.

6.De acordo com Gênesis 12:1-3, qual era a natureza da aliança que Deus fez com Abraão? Assinale a alternativa correta:
A.( ) A aliança foi baseada em promessas da parte de Deus e envolvia a fé e a obediência.
B.( ) A aliança foi anulada com a morte de Cristo e com a infidelidade dos judeus.

A base da aliança de Deus com Abraão estava centralizada nas promessas de Deus a ele. Deus fez quatro promessas a Abraão. As promessas do Senhor a Abraão foram incríveis porque foram completamente unilaterais. Deus fez todas as promessas. Abraão não prometeu nada. A maioria das pessoas tenta se relacionar com Deus de maneira contrária. Nós geralmente prometemos que O serviremos, somente se Ele, em troca, fizer alguma coisa por nós. Mas isso é legalismo. Deus não pediu que Abraão prometesse nada, mas que aceitasse Suas promessas pela fé. Claro, isso não foi uma decisão fácil, porque Abraão teve que aprender a confiar totalmente em Deus e não em si mesmo (Gn 22). O chamado de Abraão ilustra, portanto, a essência do evangelho, que é a salvação pela fé.
Alguns erroneamente concluem que a Bíblia ensina duas formas de salvação. Eles afirmam que, nos tempos do Antigo Testamento, a salvação era fundamentada na guarda dos mandamentos; então, como isso não deu muito certo, Deus aboliu a lei e tornou possível a salvação pela fé. Nada poderia estar mais longe da verdade! Como Paulo escreveu em Gálatas 1:7, há apenas um evangelho.

7. Quais outros exemplos podemos encontrar no Antigo Testamento sobre salvação unicamente pela fé? Lv 17:11; Sl 32:1-5; 2Sm 12:1-13; Zc 3:1-4

Muitas vezes ouvimos a expressão “graça barata”. Contudo, esse termo é incorreto. A graça não é barata, é gratuita (pelo menos para nós). Mas nós a arruinamos, quando pensamos que, por meio de nossas obras, podemos adicionar algo a ela, ou quando pensamos que podemos usá-la como desculpa para o pecado. Em sua própria experiência, para qual desses dois caminhos você está mais inclinado a se dirigir? Como você pode mudar de direção?
Ano Bíblico: Is 15–19
Quinta-feira
Resgatados da maldição (Gl 3:9-14)

Os oponentes de Paulo ficaram, sem dúvida, espantados com suas ousadas palavras em Gálatas 3:10. Eles certamente não pensavam que estivessem sob maldição. Se havia algo que eles podiam esperar, era o recebimento das bênçãos por sua obediência. No entanto, Paulo foi claro: “Todos quantos, pois, são das obras da lei estão debaixo de maldição; porque está escrito: Maldito todo aquele que não permanece em todas as coisas escritas no Livro da lei, para praticá-las” (Gl 3:10).
Paulo contrastou duas alternativas completamente diferentes: salvação pela fé e salvação pelas obras. As bênçãos e maldições da aliança descritas em Deuteronômio 27 e 28 foram diretas. Aqueles que obedecessem seriam abençoados, e os que desobedecessem seriam amaldiçoados. Isso significa que, se uma pessoa quisesse confiar na obediência à lei para ser aceito por Deus, então toda a lei devia ser guardada. Não temos a liberdade de escolher aquilo que queremos seguir, nem deveríamos supor que Deus esteja disposto a deixar passar alguns erros aqui e ali. É tudo ou nada!
Essa foi, naturalmente, a má notícia, não apenas para os gentios, mas também para os adversários legalistas de Paulo, porque “todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” (Rm 3:23, ARC). Não importa quanto tentemos ser bons, a lei só pode nos condenar como transgressores.

8. De acordo com Gálatas 3:13 e 2 Coríntios 5:21, como Cristo nos libertou da maldição da lei?

Paulo introduziu outra metáfora para explicar o que Deus fez por nós em Cristo. A palavra redimir significa “comprar de volta”. Ela representa o ato de pagar o preço do resgate para libertar reféns ou escravos. Visto que o salário do pecado é a morte, a maldição por não guardar a lei era frequentemente a sentença de morte. O resgate pago pela nossa salvação não foi insignificante: custou a Deus a vida de Seu próprio Filho (Jo 3:16). Jesus nos resgatou da maldição, tornando-Se nosso portador de pecados (1Co 6:20; 7:23). Ele voluntariamente tomou sobre Si nossa maldição e sofreu em nosso favor toda a penalidade do pecado (2Co 5:21).
Paulo citou Deuteronômio 21:23 como prova bíblica. Segundo o costume judaico, uma pessoa estava sob a maldição de Deus se, após a execução, o corpo fosse pendurado num madeiro. A morte de Jesus na cruz foi vista como um exemplo dessa maldição (At 5:30; 1Pe 2:24).
Não é de admirar, então, que a cruz tenha sido uma pedra de tropeço para alguns judeus que não podiam conceber a ideia de que o Messias fosse amaldiçoado por Deus. Mas esse foi exatamente o plano de Deus. Sim, o Messias sofreu a maldição; mas ela não era dEle, era nossa!
Ano Bíblico: Is 20–23
Sexta-feira
Estudo adicional

“Sobre Cristo como nosso substituto e penhor, foi posta a iniquidade de nós todos. Foi contado como transgressor, a fim de nos redimir da condenação da lei. A culpa de todo descendente de Adão pesava sobre Seu coração. A ira de Deus contra o pecado, a terrível manifestação de Seu desagrado por causa da iniquidade, encheram de consternação a vida de Seu Filho. Em toda a Sua vida, Cristo havia anunciado ao mundo caído as boas-novas da misericórdia do Pai e de Seu amor perdoador. A salvação para o maior pecador foi Seu tema. Agora, porém, com o terrível peso de culpa que carregava, não pôde ver a face reconciliadora do Pai. O afastamento do semblante divino, do Salvador, nessa hora de suprema angústia, penetrou Seu coração com uma dor que nunca poderá ser bem compreendida pelo homem. Tão grande era essa agonia, que Ele mal sentia a dor física (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 753).
“Entrou Lutero, então, ousadamente, em sua obra como campeão da verdade. Sua voz era ouvida do púlpito em advertência ardorosa e solene. Expôs ao povo o caráter ofensivo do pecado, ensinando ser impossível ao homem, por suas próprias obras, atenuar a culpa ou fugir do castigo. Nada, a não ser o arrependimento para com Deus e a fé em Cristo, pode salvar o pecador. A graça de Cristo não pode ser comprada; é um dom gratuito. Aconselhava o povo a não comprar indulgências, mas a olhar com fé para um Redentor crucificado” (Ellen G. White, O Grande Conflito, p. 129).

Perguntas para reflexão
1. Alguns têm dificuldade em aceitar a salvação unicamente pela fé, e que a graça de Deus nos salva por meio de Cristo, à parte de nossas obras. O que está por trás dessa hesitação em aceitar essa verdade fundamental?
2. Paulo falou de maneira muito forte sobre o erro teológico da salvação pelas obras. Qual é a importância da teologia correta? Por que devemos nos levantar vigorosamente, se necessário, quando o erro estiver sendo ensinado entre nós?

Resumo:
A base da nossa salvação é a fé unicamente em Cristo. Foi por causa da fé que Abraão teve nas promessas de Deus que ele foi considerado justo, e esse mesmo dom de justiça está disponível a todo aquele que partilhar da fé de Abraão. A única razão pela qual não somos condenados pelos nossos erros é que Jesus pagou o preço dos nossos pecados, ao morrer em nosso lugar.
Marcos 16:15